A história do Campeonato Paulista de Futebol: como tudo começou e a era do profissionalismo

O Campeonato Paulista de Futebol é um dos mais tradicionais e importantes torneios de futebol do Brasil. Desde a sua criação em 1902, o campeonato tem sido disputado ininterruptamente, e já contou com a participação de 102 clubes diferentes. Neste post, vamos falar sobre como tudo começou e como o futebol se tornou o esporte mais popular do país.

Como tudo começou

O torneio do Estado de São Paulo é disputado desde 1902, e o seu primeiro campeão foi o São Paulo Athletic. Atualmente, o maior campeão é o Sport Club Corinthians Paulista, com 30 taças conquistadas. Além dos quatro principais clubes do estado, outros 12 já levantaram a taça da primeira divisão.

A fórmula atual

Atualmente, o torneio da Primeira Divisão do Campeonato Paulista é disputado por dezesseis equipes divididas em quatro grupos com quatro times em cada chave. Eles não se enfrentam nesta primeira fase, apenas nas quartas de final, onde o 1º colocado enfrenta o 2º de seu grupo. Tanto as quartas, como a semi, são disputadas em jogo único, na casa do time com melhor campanha. Apenas a final é em ida e volta, com a partida decisiva, na casa do time de melhor campanha em toda a competição.

A história do Campeonato Paulista

O Campeonato Paulista foi o primeiro torneio brasileiro de futebol, criado em 1902, em São Paulo, por Charles Miller, que introduziu as regras do futebol após visitar a Inglaterra onde estudou o esporte. A princípio, o futebol era praticado apenas por membros da elite, com o Paulistano sendo uma equipe composta pelos filhos das famílias mais ricas de São Paulo, tornando-se o time mais forte do estado.

Contudo, a popularidade do esporte começou a mudar após o ‘Corinthian’, uma equipe amadora da Inglaterra, realizar uma brilhante turnê em São Paulo e no Rio de Janeiro. Aos poucos, o esporte foi se popularizando e em 1910 foi fundado o Sport Club Corinthians Paulista, time este, que foi uma das primeiras equipes provenientes da classe trabalhadora.

Era do profissionalismo

A partir de 1930, com o encerramento das atividades do departamento de futebol do Paulistano, uma nova era no futebol paulista começou. Com a criação da Liga Bandeirante de Futebol, Corinthians e Palestra Itália assumiram suas posições como os times mais fortes e populares do estado. Então, logo um novo clube surgiu para competir pelos corações dos torcedores. Alguns dissidentes do Paulistano, se juntaram os diretores da A.A. das Palmeiras e formaram o São Paulo Futebol Clube.

Em 1933, finalmente os jogadores se tornaram profissionais, inclusive, o Paulistão daquele ano foi o primeiro torneio profissional do Brasil. E o primeiro jogo foi um amistoso realizado na Vila Belmiro, em

12 de março, com vitória do São Paulo por 5 a 1 sobre o Santos. Arthur Friedenreich, ironicamente um contrário à profissionalização, fez o primeiro gol “remunerado” da história do futebol do país.

O futebol se tornou um esporte popular no Brasil graças ao sucesso do Campeonato Paulista. As equipes paulistas sempre foram consideradas as mais fortes do país, e os jogos do campeonato atraem milhares de torcedores a cada ano.

Além disso, o campeonato tem sido uma importante vitrine para os talentos brasileiros. Muitos jogadores que se destacaram no Paulistão acabaram sendo contratados por grandes clubes do Brasil e do mundo.

Era Moderna

Em 1941, a Federação Paulista de Futebol finalmente assumiu a direção do Campeonato Paulista, e o São Paulo assinou com Leônidas da Silva, vencendo cinco das oito edições seguintes do campeonato. Em 1942, o Palestra Itália mudou seu nome para Palmeiras devido à Segunda Guerra Mundial.

O Paulistão era dominado por Palmeiras e Corinthians, até que um dia, foi dito que nem precisava mais ter o torneio, bastava jogar uma moeda para cima. Se desse coroa, o Verdão ficaria com o título. Se desse cara, o Coringão seria o campeão. Então, um dirigente são-paulino indagou quando o São Paulo ficaria com a taça e a resposta foi: “só quando a moeda cair em pé”. Neste mesmo ano, em 1943, o São Paulo ficou com a taça e para festejar (e provocar), fez uma taça em alusão a uma moeda em pé e desfilou em um carro.

Período de glórias

Santos anos 50 e 60

No ano de 1957, o futebol viu o nascimento de seu maior jogador em todos os tempos: Pelé, que fez com que o Santos vencesse nove dos próximos doze campeonatos, além de ter sido o artilheiro do campeonato em todos os anos entre 1957 e 1965, incluindo o recorde de tentos em uma única edição, 58 gols no ano de 1958.

Palmeiras e o “corte” no Santos de Pelé com a ‘Academia’

O Palmeiras, com a Academia comandada por Ademir da Guia, faturou os títulos de 63 e 66 e se tornou a única equipe a frear o domínio santista, que conquistou os campeonatos de 1960, 1961, 1962, 1964, 1965, 1967, 1968 e 1969.

Polêmica nos anos 1970

Uma das maiores polêmicas do Paulistão ocorreu em 1973, quando o árbitro Armando Marques errou na contagem das cobranças de pênaltis na final entre Santos e Portuguesa. O jogo terminou empatado em 0 a 0 e a decisão foi para os pênaltis, que foram interrompidos pelo árbitro quando o placar marcava 2 a 0 para o Santos, apesar de a Portuguesa ainda ter duas cobranças por efetuar. Depois de perceber o erro, o árbitro declarou dois campeões: Santos e Portuguesa.

Corinthians e o fim da “seca”

O Corinthians encerrou um jejum de 23 anos sem títulos no Campeonato Paulista de 1977, quando venceu a final contra o Guarani de Campinas. Essa conquista ficou marcada na história do clube e foi comemorada por milhares de torcedores que aguardavam ansiosamente por um título.

São Paulo x Corinthians: a década de 1980

Os anos 80 foram marcados por grandes batalhas entre São Paulo e Corinthians. O Timão, comandado por Sócrates, foi bicampeão em 1982 e 1983, mas viu o Tricolor dominar a década, ganhando em 1980, 1981, 1985, 1987 e 1989. O São Paulo ainda contou com o surgimento dos “Menudos do Morumbi”, jogadores como Müller e Silas que fizeram história no clube.

Primeiro time do interior campeão da Primeira Divisão

Em 1986, a Inter de Limeira protagonizou uma grande zebra ao vencer o Palmeiras na final do Campeonato Paulista, em pleno Estádio do Morumbi. Foi a primeira vez que um time do interior conquistou a Primeira Divisão do Campeonato Paulista.

Anos 1990: São Paulo, Palmeiras e Verdão com o melhor ataque da história

Os anos 1990 foram marcados por grandes conquistas do São Paulo, que começou uma dinastia incrível coroada com dois títulos da Libertadores, dois Mundiais e um brasileiro. O Palmeiras encerrou um longo jejum de 16 anos sem títulos e venceu em 1993 e 1994. Em 1996, o Palmeiras teve o melhor ataque da história do Campeonato Paulista até hoje, com 102 gols marcados, incluindo nomes como Cafu, Rivaldo, Djalminha e Müller.

Fim dos anos 90: São Paulo e Corinthians

No final dos anos 90, o Paulistão teve dois grandes vencedores: São Paulo e Corinthians. O tricolor paulista conquistou a taça em 1998, 2000 e 2001, enquanto o alvinegro levantou o troféu em 1995, 1997 e 1999.

Perda de força e mudança de foco

Com o passar do tempo, o Paulistão foi perdendo força dentro e fora dos campos. As equipes passaram a se reforçar mais para buscar a Copa do Brasil e a Libertadores, competições que oferecem maior visibilidade e premiações mais altas. As torcidas também passaram a valorizar mais essas competições, sem deixar de lado a vontade de desbancar os rivais do estado e levantar mais uma taça do Paulistão.

A vez de Corinthians e Santos

Nos últimos anos, a hegemonia no Paulistão tem sido dividida entre Corinthians e Santos. Entre 2009 e 2019, os dois clubes ficaram com cinco taças cada. O único time a “atrapalhar” essa hegemonia foi o Ituano, que foi campeão em 2014, vencendo inclusive o Santos na final.

Para o Corinthians, os últimos anos foram marcados por grandes conquistas, como o bicampeonato em 2017 e 2018, além do tricampeonato em 2019. Já o Santos teve uma sequência de vitórias entre 2010 e 2012, conquistando o título em todos esses anos.

Este blog utiliza cookies para garantir uma melhor experiência. Se você continuar assumiremos que você está satisfeito com ele.