Reciprocidade nos aluguéis do Morumbi e Allianz Parque acalora rivalidade fora de campo

A reciprocidade nos aluguéis do Morumbi e do Allianz Parque acalorou a rivalidade fora de campo entre alguns torcedores de São Paulo e Palmeiras nos últimos dias.

Quando a equipe alviverde mandou a partida contra o Santos, no início de fevereiro, no estádio são-paulino, torcedores do Tricolor não gostaram. Na próxima segunda-feira, é o São Paulo quem será o mandante no Allianz Parque diante do Água Santa, pelas quartas de final do Paulistão.

A troca de aluguéis foi uma articulação entre o presidente do São Paulo, Julio Casares, e da presidente do Palmeiras, Leila Pereira. Hoje em lados opostos, eles poderiam estar juntos no Tricolor.

Sim, é isso mesmo que você leu. Isso porque a Crefisa, empresa de Leila Pereira e que patrocina o Palmeiras, quase acertou com o Tricolor para ser o patrocinador máster em 2015.

O clube, por exemplo, colocava o Morumbi no pacote do patrocínio. A proposta dava à Crefisa um camarote de frente para o centro do campo, mil ingressos por jogo em casa, personalizava um setor de cadeiras numeradas com a comunicação visual da instituição financeira, inseria a marca dela em testeiras e placas nos anéis das arquibancadas e em regiões que são mostradas pela televisão em transmissões – o que aumenta o retorno de mídia da patrocinadora.

O banco também teria pontos de venda dentro do estádio, nos quais poderia oferecer empréstimos consignados aos torcedores. A proposta palmeirense pedia os mesmos R$ 23 milhões ao ano pelo patrocínio, mas com benefícios bem mais modestos para a empresa.

Por fim, pesou contra o São Paulo a administração de Carlos Miguel Aidar. O ex-presidente, que renunciou ao cargo após acusações de lavagem de dinheiro e corrupção, tinha um contrato com sua namorada, Cinira Maturana, para que ela recebesse 20% de comissão sobre contratos que trouxesse ao clube.

Aidar ainda manchou a imagem do clube com três grandes fornecedoras de materiais esportivos ao atravessar executivos brasileiros, desrespeitar contratos e pré-contratos e fazer leilão.

Em janeiro de 2015, a Crefisa assinou contrato com o Palmeiras e iniciou ali uma parceria vencedora, recheada de títulos, com Copa do Brasil, Libertadores, Brasileirão… O São Paulo, por sua vez, acumulou dívidas e conquistou apenas o Paulistão de 2021.

Este blog utiliza cookies para garantir uma melhor experiência. Se você continuar assumiremos que você está satisfeito com ele.